Notícias

Squads de alta performance: 4 dicas para ter sucesso com times ágeis

Por: Bianca Borges, 2 de junho de 2021
COMPARTILHE

Para você squads multidisciplinares são sinônimos de que? Inovação, agilidade, eficiência, trabalho em equipe ou todas as opções anteriores? Bom, os squads são tudo isso e, com o conceito bem aplicado, com certeza, as marcas e empresas só tem a ganhar.

Aqui na Zoly, respiramos squads na prática. Temos vários times multidisciplinares e de alta performance que são focados, ao mesmo tempo, nas necessidades do cliente e nos resultados do negócio. Por experiência própria, podemos dizer que com dedicação e foco, os resultados aparecem. Mas além disso, o que mais é preciso para alcançar o sucesso com uma equipe multidisciplinar e garantir os melhores resultados?

Te contamos a seguir!

1 – Definir o verdadeiro propósito

Hoje em dia, squad virou uma buzz word e, apesar do conceito estar mais popular, o modelo de trabalho ainda não é bem aplicado na prática e, muitas vezes, acaba ficando sem um propósito bem definido. As empresas só querem ter porque “está na moda”.

A premissa das squads é ter um grupo de profissionais com talentos e competências diversas, mas complementares, que atuem focados em um OBJETIVO COMUM.

É em função dessa meta que a equipe vai desenvolver a melhor estratégia e solução. Por isso, que a primeira coisa a ser considerada para se ter sucesso com um squad, além da escolha dos profissionais, é a razão para o próprio esquadrão existir. Parece fácil falar, mas muitos times são estruturados sem um objetivo claro, o que dificulta a evolução da equipe e a conquista de resultados.

2 – Reunir a equipe certa

Cada projeto é diferente, e os times precisam ser montados de acordo com  o objetivo da missão ou necessidade a ser resolvida. Dentro de um squad é possível ter profissionais de qualquer departamento da organização, desde colaboradores da área de tecnologia, dados, marketing, user experience (UX) até do setor financeiro e recursos humanos, mas uma coisa é certa: é preciso garantir que no seu time estejam presentes profissionais com conhecimento técnico, de mercado e capazes de colocar o consumidor no centro de toda a estratégia.

Na Zoly, por exemplo, grande parte dos nossos esquadrões são compostos por profissionais das áreas de Performance, Designer UX, Business Inteligence, Mídia e Marketing. Essa mescla de disciplinas nos permite ter uma visão aprofundada das reais necessidades do cliente e, simultaneamente, trazer os melhores resultados para as marcas e empresas que são nossas parceiras.

Para Aline Kidermann, Coordenadora de Performance de um dos squads da Zoly, a escolha das pessoas é essencial, porque são elas que vão fazer a diferença no projeto.

“O diferencial dos squads são as pessoas. A qualificação dos profissionais, com maturidade e disponibilidade de sempre aprenderem coisas novas, dispostos a interagir uns com os outros, faz toda a diferença. A multidisciplinaridade nas equipes é um fator que agrega por deixar as portas abertas para o aprendizado entre as áreas, a expansão de conhecimento e a evolução profissional. Um membro da equipe não se atém apenas a entregar suas tarefas, ele se preocupa com o desafio proposto para o time de formal global, sendo também responsável pela meta do squad, pelas taxas de conversão e contribui para o melhor resultado. Então, as pessoas olham para esses números diariamente e ajudam a propor soluções que possam contribuir para nossa máxima eficiência e experiência do usuário, sempre trocando conhecimento com todos os profissionais do time.”

3 – Entender o papel do líder em um Squad

Esse é outro ponto essencial para o sucesso de um squad. Já vimos que a formação de squads pode variar, porém, um ponto importante que independe do objetivo do projeto, é a necessidade da escolha de um líder, também chamado de P.O (Product Owner) ou GP (Gerente de Projeto).

Mas qual a função da liderança nos times ágeis? 

“O papel do líder em times ágeis é muito amplo. Primeiro, ele tem que garantir a implementação da cultura e ser um facilitador em todo o processo. Também é essencial que o líder dê autonomia ao time através de metas claras e entendimento do seu papel no resultado do Squad, além de fomentar a integração e colaboração entre as áreas. Dessa forma, a comunicação fluíra e os fluxos de ideias para melhoria dos resultados ocorrerão naturalmente e com velocidade. Por último, mas não menos importante, o líder tem que ajudar na gestão de conflitos, sendo imparcial, criando um espaço para o diálogo e ter sempre foco na solução da causa raiz. Para que isso tudo ocorra, é importante criar um ambiente de confiança e transparência”, explica Flávia Mello, Gerente de Negócios na Zoly.

4 – Colocar em prática o mindset ágil

Não adianta definir o propósito, montar o time de profissionais de alta performance e ter uma boa liderança no squad, se a empresa não possuir uma cultura ágil que sustente toda essa operação.

O mindset ágil, além da desburocratização de processos e dar AUTONOMIA às equipes para que elas tomem decisões rápidas e testem suas ideias, também traz à tona a necessidade de encarar o erro como um aprendizado para a inovação e não como um fracasso irreversível. Não podemos ter medo de errar, mas é importante corrigir as falhas de forma rápida e assertiva e, nesse quesito, os squads de alta performance são os melhores aliados.

A filosofia da melhoria contínua e a cocriação também são vitais para tirar a mentalidade ágil do papel. Aliada a elas, um outro fator também é importante para estimular a prática desse pensamento: as metodologias ágeis.

Design Sprint, Scrum, Kanban e uma série de outros métodos exigem empatia para entender o contexto do cliente, promovem a colaboração e a interação entre a equipe, simplificam processos e facilitam as possibilidades de testes e aprendizados.

Os benefícios das metodologias ágeis são muitos e aqui você encontra dicas de como aplicá-las no seu modelo de negócio.

Como vimos no início desse conteúdo,  os squads multidisciplinares são facilitam a inovação, trazem agilidade e melhoram a eficiência, mas para tudo isso ser realmente efetivo, é preciso ter um propósito bem definido, saber escolher a equipe certa, ter clareza do papel da liderança e possuir uma cultura ágil que favoreça o desenvolvimento desse esquadrão de elite.

(*) Bianca Borges é Analista de Comunicação Sênior da ZOLY. Jornalista com MBA em Marketing, enxerga o digital como um espaço repleto de oportunidades para as marcas e um meio de conexão e aprendizados para a sociedade.

    • Receba nosso conteúdo em primeira mão.