Notícias

A regra é clara: é inovar ou ficar pra trás

Por: Bianca Borges, dezembro 16, 2020

Uma coisa que 2020 nos mostrou é que inovar é preciso. Seja na experiência do cliente ou no modelo de negócio, quem não se reinventar constantemente vai ficar para trás. No Digitalks Global Summit, grandes marcas compartilharam um pouco do que estão fazendo para colocar essa tarefa em prática. Te contamos agora os principais insights!

Digitalizando estratégias para fazer a diferença

Adaptar as ações do mundo físico para o digital foi essencial para as empresas evitarem a perda de receita com o fechamento das lojas por conta da pandemia. Para o Gerente de Marketing da Cacau Show, Cauê Sanchez, um dos desafios foi quebrar o tabu do e-commerce com o próprio consumidor.

Cauê Sanchez | Cacau Show

Ele explicou:

“Comprar chocolate pela internet é um tabu. O cliente fica preocupado se vai derreter, se vai chegar quebrado. A gente estava trabalhando o site da marca muito mais pelo lado conceitual do que pela venda em si, mas com o fechamento das lojas tivemos que acelerar o processo e fazer o e-commerce decolar”.

Uma outra marca que também soube aproveitar bem o crescimento das vendas online e viu o quanto o digital pode fazer a diferença, tanto na relação com os clientes como na geração de receita, foi a Nestlé.

A empresa desenvolveu um e-commerce chamado “Moça Doceria” para comemorar os quase 100 anos da marca. A loja online vende doces feitos com a própria linha de produtos Moça. Segundo Juliana Glezer, Gerente de Transformação Digital, Inovação aberta e Portifólio na Nestlé Brasil, essa foi uma maneira de estabelecer uma conexão maior com o cliente nesse período de distanciamento social.

Quem também acelerou a sua presença digital para se manter mais próxima dos clientes foi a Heineken que até realocou times, visando oferecer uma melhor experiência ao consumidor.

“Pensar nas pessoas foi o primeiro passo. A gente já tinha construído dentro de casa um hub para trabalhar toda a parte de comunicação digital, e isso facilitou todo o processo. Tivemos que adaptar nossas ações outdoor para as lives e as pessoas do time de eventos externos foram realocadas para o time de e-commerce”, conta Camila Cardoso, Especialista em Consumer Insights e Líder de Inclusão e Diversidade para a questão racial da Heineken.

Camila Cardoso | Heineken

Além de transformar seus eventos, a Heineken inovou nos conteúdos, criando uma série de poadcasts da marca para falar sobre o consumo responsável e trazer dicas úteis para os seus jovens clientes, já que essa estratégia tem como foco jovens de 18 a 24 anos, principalmente.

Inovação aberta pra trazer insights e gerar receita

Pensar em inovação e em novos modelos de negócio não favorece somente a experiência do cliente e a relação dele com a sua marca, também possibilita o aumento de receita. Porém, para isso, é preciso inovar com consciência.

Juliana Glezer, da Nestlé Brasil, contou como a marca encontrou o jeito escalável de inovar sempre com a premissa de gerar valor para as pessoas:

“Temos trabalhado na lógica de erro e experimentação. Nossos projetos começam de forma pequena com um piloto, uma prova de conceito ou um MVP. Estimulamos a inovação com parceiros, startups e com nossos colaboradores através de uma ferramenta de crowdsourcing”.

Juliana Glezer | Nestlé

Entre todas as maneiras de motivar a inovação, Juliana destacou que a iniciativa interna com os funcionários da empresa tem trazido bastante aprendizados e resultados positivos para o negócio.

“Alguns dos projetos foram tão bem que viraram áreas inteiras dentro da empresa”, salientou.

A Gerente da Nestlé Brasil enumerou algumas dessas boas ideias dos colaboradores que surgiram a partir do processo de crowdsourcing:

  • Chocobot – um robô que permite a personalização de caixas de bombom;
  • Cacausando – projeto sustentável para transformar a casca do cacau em fonte de energia;
  • Refeitório Verde – ainda em produção, io local servirá como um alerta sobre como os nossos hábitos de alimentação podem impactar o planeta.

Diante de todas essas estratégias que grandes empresas do varejo promoveram para se adaptar ao contexto e reforçar sua presença digital, fica claro que a inovação será cada vez mais imprescindível, mas é preciso fazer isso com consciência.  E aqui vai uma dica para ter sucesso nessa tarefa:

Para uma inovação ser promissora e relevante, ela precisa resolver alguma necessidade do seu público-alvo, seja ele seus clientes ou colaboradores.

Quer ampliar sua presença online e acelerar suas vendas no digital, inovando como essas marcas fizeram? Fale com a Zoly. A gente te ajuda a alcançar esse desafio.

(*) Bianca Borges é Analista de Comunicação Sênior da ZOLY. Jornalista formada pela Universidade Anhembi Morumbi, também possui experiência nas áreas de assessoria de imprensa e gestão de mídias sociais. Gosta de escrever sobre diversos assuntos, mas, atualmente, seu foco é o Marketing Digital e Data Business. 

  • Receba nosso conteúdo em primeira mão.